sexta-feira, 12 de setembro de 2008

saudade singular. plural de muitas coisas.

saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade.saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade. saudade.

Vou repetir isso até não fazer mais sentido. [Espero que dê certo e, quem sabe, um dia, acabe.]

2 comentários:

Jean Errado disse...

"A ausência diminui as paixões medíocres e aumenta as grandes, assim como o vento apaga as velas, mas atiça as fogueiras." anônimo

Kafarnak disse...

amar... amar... amar...
amar... amar... amar...
amar... amar... amar...

até que um dia
seja verdadeiro,

até que cada um
se entregue por inteiro.

------------------
Ó meu amor, não fique triste,
Saudade existe pra quem sabe ter,

Minha vida cigana
me afastou de você,

Durante algum tempo
vou ter que viver por aqui...

(Tetê Espíndola)

15 de Setembro de 2008 20:24