sábado, 7 de agosto de 2010

Carta de despedida

Esta é uma carta de despedida. Uma monólogo de despedida. Eu falando para o você que ficou dentro de mim. É tão estranho pensar na breviedade da vida e em como as pessoas são esquecíveis... um dia se ama, outro dia se esquece. E então, quem sabe, com um pouco de sorte (ou azar) volta-se a amar... outra pessoa. E engraçado como a pessoa anteriormente amada não é mais nem ao menos lembrada... E o amor se vai, ou fica... com um dos dois ou com nenhum...
Seja lá como for, este amor ido ou presente, amor de outrora ou de agora... que fica na lembrança de alguém, saudosista, triste, a olhar pela janela, olhar a rua vazia e cheia de dor... é, é a vida. Ou a morte.
Então, que morras dentro de mim para que te possas ir e encontrar o que procuras, seja o pote de ouro no fim do arco-íris, seja a malícia, o que for... que te vás. E tendo ido, ponho-me só no meu caminho, como sempre fui...
Assim seja. Seja eu. Seja tu. Sejam as coisas. Enfim.

Um comentário:

ERRADO disse...

O velho truque de ocultar as palavras, hein...

:)